Seminário internacional busca alternativas para convivência com a seca

Buscar alternativas para convivência com a seca, discutindo boas práticas agrícolas, tecnologias sociais, agregar conhecimentos e envolver a comunidade. Estes são alguns objetivos do Seminário Internacional de Convivência com a Seca, aberto na quarta-feira (6), em Piranhas, promovido pelo IABS e Seagri, com apoio do Sebrae/AL, Banco do Nordeste, Ufal, IICA, Chesf, Prefeitura de Piranhas, entre outros.O evento prossegue nesta quinta-feira (7) com palestras, mesas redondas, debates, lançamento de livros, exposições e apresentações culturais.

Ministrada pelo professor João Paulo Copibiano, do Instituto Democracia e Sustentatibilidade (IDS), a palestra “Políticas Públicas e o Movimento de Valorização dos Biomas Brasileiros” foi o primeiro tema do evento, tendo como facilitador Tadeu Assad, do IABS.

Para o secretário da Agricultura, Pecuária, Pesca e Aquicultura (Seagri), Antônio Santiago, o seminário é estratégico para a região e mostra que existem tecnologias sociais e que podem ser utilizadas para o uso racional da água e que vão beneficiar diretamente os pequenos produtores rurais dos municípios sertanejos, principalmente nos períodos de estiagem.

“Temos a convicção de encontros como esse e com instituições parceiras é possível conseguir objetivos e resultados positivos para a convivência com o Semiárido, apresentando propostas para os nossos agricultores familiares”, explica Santiago.

Segundo o secretário, a orientação e determinação do governador Renan Filho é implantar ações ao logo do Canal do Sertão para beneficiar os pequenos produtores rurais e fortalecer a agricultura familiar na região.

Como explica Tadeu Assad, presidente do IABS, o seminário e o Curso Internacional de Convivência com o Semiárido são uma das principais ações realizadas no Centro Xingó, em Piranhas, e que tem como propósito a formação de pessoas, através de conhecimentos e aperfeiçoamento relativos à convivência com o Semiárido, com troca de informações e experiências.

“São práticas e discussões que vão ajudar por demais o sertanejo a conviver em sua região, com conceitos e atitudes para facilitar as atividades no Semiárido alagoano”, destaca Assad.

O estudante de Ciências Econômicas da Ufal Campus de Santana do Ipanema Franklin Barbosa reconhece que o seminário traz conhecimentos de todas as regiões do Brasil e de outros países e vai ampliar o nível de formação dos participantes, principalmente os estudantes.

“Essa troca de experiências e de aprendizagem é de grande relevância e as políticas de ações adotadas seguramente vão transformar a nossa região”, afirma Barbosa.

Ascom – 06/12/2017

(Visited 4 times, 1 visits today)