Minas Gerais registra a primeira morte por chikungunya em 2018

Uma morte por chikungunya foi confirmada em Minas Gerais pela Secretaria de Estado de Saúde. O óbito ocorreu em Coronel Fabriciano, na Região Leste, conforme boletim epidemiológico divulgado nesta segunda-feira (30). A doença é transmitida pelo Aedes aegypti.

Até o momento, são 10.404 casos prováveis, isto é, confirmados e suspeitos, de chikungunya. A concentração é na região do Vale do Aço. Outro óbito está em investigação. Em 2017, eram 15.606 casos prováveis de janeiro a julho. O ano fechou com 15 mortes pela doença.

O levantamento também contabiliza casos de dengue e zika vírus, informa o G1.

Em 2018, até o dia 30 de julho, Minas Gerais registrou 23.094 casos prováveis de dengue. Até o momento, sete mortes – duas a mais que o balanço anterior – foram confirmadas de moradores de Arcos, Conceição do Pará, Contagem, Ituiutaba, Lagoa da Prata, Moema e Uberaba. Ainda segundo a secretaria, nove óbitos estão em investigação.

Já em relação à zika, foram registrados 201 casos prováveis da doença em 2018.

31/07/2018