Mais Médicos vai ser revisto, afirma futuro ministro

Com críticas à gestão atual e passada, o futuro ministro da Saúde, Henrique Mandetta, afirmou nesta sexta-feira, 28, que o programa Mais Médicos seria caracterizado por improvisações, “desde o dia em que foi instalado até hoje”, e que vai ser revisto “como um todo”.

“Vamos aguardar o que esse governo vai concluir, porque a gente já fez reuniões. O entendimento deles começa de um jeito, depois muda. A característica do Mais Médicos é que um programa de improvisações, uma atrás da outra. Desde o dia em que foi instalado até hoje”, disse. “Isso vai ter que ser revisto, esse programa. Tem inúmeras situações de distorção”, afirmou o futuro ministro na sede do governo de transição em Brasília, no CCBB.

Mandetta cita como exemplo de “improvisações” o fato de que o programa não tinha previsão de distrato. Sobre as supostas distorções, o futuro ministro diz que houve substituição completa do quadro de profissionais em cidades que têm Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) alto, e que, em tese, não precisariam disso, como Brasília, diz o Terra.

Criado em 2013 na gestão da presidente Dilma Rousseff (PT), o programa tinha como um dos alicerces a parceria com o governo cubano, que mandava profissionais para o interior do Brasil. O programa foi alvo do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), crítico do regime cubano, que prometeu impor uma série de medidas à continuação dos profissionais aqui, o que fez Cuba abandonar o programa.

A saída de 8,5 mil médicos cubanos criou uma crise em municípios e fez com que prefeitos e secretários de Saúde se articulassem para a manutenção dos estrangeiros no País. Em 14 de dezembro, um terço dos brasileiros inscritos no programa ainda não havia se apresentado para ocupar as vagas.

29/12/2018